Cuidados essenciais no Marrocos-parte 1

Muitos amigos me falaram milhares de coisas sobre o Marrocos, de como os comerciantes era insuportávelmente insistentes, de tanto de cuidado que uma mulher deve ter, dos taxistas, etc.  Não gosto de criar muitas expectativas nem positivas e nem negativas pois o que é maravilhoso para mim pode ser péssimo para outra pessoa, então melhor esperar para tirar as próprias conclusões. Mas quando todo mundo diz quase a mesma coisa, é bom abrir o olho. Então li bastante para saber mais ou menos o que me aguardaria, e acho que ajudou. Apesar de não ter sentido nem metade do que a maioria das pessoas em relação as coisas negativas, soube me preparar bem e saber o que me aguardava. Talvez por isso mesmo a minha experiência foi positiva.

Vou listar alguns cuidados básicões que eu achei importante ter quando visitar o Marrocos, em especial Marrakech.

Mulher sozinha, pode? Eu achei que sim. Nào foi minha experiência, mas vi várias muheres sozinhas turistando como nós. Só no nosso Riad(de 6 quartos) vimos 2 mulheres sozinhas e  2 amigas viajando juntas. No restaurante da dança do ventre também vimos duas mesas com mulheres sozinhas. Acho que isso exige alguns cuidados, lógico, mas nada muito complicado. Eu particularmente não ficaria hospedada fora da Medina ou em algum local onde precisasse andar muito ou pegar taxi. Os taxistas são terríveis e são sempre homens, acho que uma mulher sozinha dentro de um táxi desconhecido pode ficar mais vulnerável. Já um taxi que sai do seu hotel é alguém conhecido geralmente, ou de cooperativa, algo com referência, mas quem precisa pegar táxi toda hora pode acabar tendo que se render a qualquer taxi de rua. Também não me arriscaria muito em bares sozinha. Só iria para um bar ou balada sozinha se fosse algo mais preparado para o turista. Como isso não faz meu estilo, não iria,rs. Na hora de ir num restaurante, escolheria algo menos rústico. Dá para fazer isso sem ter que se render a algo “plastificado”. Qualquer Riad por exemplo, serve uma comida típica, tudo super caseiro e autêntico, mas é um local onde dificilmente uma mulher sozinha terá algum problema. Para quem não estiver hospedada num Riad, há muitos restaurantes Riads que tem um clima mais caseiro que outros restaurantes e pode ser menos intimidante. Se fosse beber álcool e estivesse sozinha também escolheria um restaurante ou o hotel/Riad para fazê-lo. Aliás, mesmo nós dois fizemos isso. Não acho que o Marrocos seja um local que inspira badala, e mesmo nós que somos super noturnos e boemios não fizemos nada além de beber um vinho no Riad e tomar um cervejinha em um dos jantares. Mas nenhum dos conselhos vai ser mais eficiente para uma mulher ter o mínimo de dor de cabeça do que o seguinte.

Se misturando com a multidão –  uma coisa que ajudou muito no meu caso, foi o fato de parecer um pouco daquela região. Não que eu seja a típica marroquina, mas eles ficavam às vezes na dúvida, e o fato de não ser loira do olho claro (nem o meu marido) me deixava menos em evidência, um alvo menos óbvio para espertinhos. Mas isso não é uma dica, é uma constatação. não estou sugerindo bronzeamento artificial e tinta preta no cabelo,rs. O que quero dizer é quanto menos a pessoa se destacar melhor. É dificil passar por um local, mas não custa evitar parecer o tipico gringo há kms de distância. Por isso eu bato na tecla da importância de se vestir respeitando a cultura local. Sem dúvida quanto menos em evidência a pessoa fica, mais fácil será lidar com o assédio masculino, dos comerciantes e dos malandros de plantão. E isso não significa se cobrir de cima em baixo com um pano no rosto. Mas cobrir os ombros, usar algo que seja abaixo do joelho, não usar decotes profundos e provocantes, roupas justas ou transparentes é sim essencial. Há quem ache um exagero e óbvio que você vai ver várias pessoas que não estão assim, e que na nossa cultura não estão nada provocantes, mas um ombro de fora a mais pode sim fazer a diferença. Parece dificil, mas não é! Qual mulher não tem um vestido longo no armário? É só colocar um casaquinho, uma echarpe ou algo que tape os ombros caso ele seja sem mangas e está pronta. Ou uma legging com um vestido mais soltinho, por exemplo. Homens, não pensem que com vocês é diferente. É sempre melhor usar calça e blusa de mangas(não precisa ser comprida). Por isso eu acho que a época ideal para conhecer o país é qualquer uma menos o verão! Para as mulheres loiras prender o cabelo pode ajudar bastante. Na verdade para as mulheres em geral. A gente não precisa radicalizar e colocar um lenço na cabeça, prender já ajuda. E naquele calor fica fácil. Enfim, homem ou mulher, sozinha ou acompanhada, não precisa virar muçulmana, mas quanto menos ficar escrito na testa  “turista”, melhor. E se está na sua cara que você é turista até de burca, não custa mostrar um pouco de respeito pela cultura e religião deles. Com certeza a atitude sera valorizada.

Se perdendo na Medina e os malandrinhos GPS profissionais: esse é o “perigo”mais comum de Marrakech. Por isso mesmo algo mais que essencial para afastar os malandros é ter um bom mapa da Medina. Os mapas de fora da Medina costumam ser bons, mas da Medina é bem dificil encontrar um acurado. É tudo muito igual, as ruas são minúsculas e muitas não tem nome. É quase uma atração turística se perder la dentro. Eu não encontrei o mapa ideal, mas por incrível que pareça o que melhor nos atendeu foi o do Top 10 Marrakech, que é uma versão compacta com o top 10 de tudo do guia visual da folha. Ele foi essencial. Bastava fazer cara de “não sei onde estou” para aparecer 20 querendo ajudar. Muitos deles são crianças. Elas pedem dinheiro, mas não fazem muito mal. Só são mais insistentes(e convincentes) que qualquer adulto, então melhor evitar. Vou falar mais dos malandrinhos profissionais no Figuras de viagens. Como disse,  achei que o povo seria mais insistente, mas é bem melhor do que imaginava. Lógico que eles são sim insistentes e tem os espertinhos de plantão. Mas tem algumas coisas que dá para fazer para assustar os inconvenientes. Primeiro de tudo, não dá para ser grosseiro.  Agradeça e diga que não quer a ajuda que eles oferecem ou o que eles estão vendendo. Eles vão insistir uma ou duas vezes, mas se você falar com firmeza eles desistem. Se partir para grosseria, se falar de maneira mais agressiva eles reagem super mal, se ofendem e o tempo fecha. Depois de 500 pessoas te enchendo o saco fica muito fácil perder a paciência, mas pode acreditar em mim, ser firme mas educado surte muito mais efeito e o não é muito mais respeitado desta maneira. A gente tem que ter em mente que a insitência na hora da venda é uma questão cultural e que esses malandros que tentam tirar vantagem dos outros também. Se estiver perdido pergunte a algum comerciante. Eu achei que essa dica seria super furada porque eles são chatos e querem vender, mas funciona muito. Todos os comerciantes a quem pedimos ajuda foram muito legais. Mas não confunda comerciante com o carinha que fica fazendo propaganda  e entregando folheto das lojas. A função dessas pessoas é exatamente te levar para o estabelecimento dele, então ele vai fazer de TUDO para isso. Inclusive te ensinar o caminho completamente errado para você passa na frente da loja.

 

O post todo ficou muito longo, então achei melhor dividir em 2.

Aguardem pois ainda esta semana sai a outra metade falando dos cuidados essenciais no Marrocos!

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

3 comentários em “Cuidados essenciais no Marrocos-parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *