Figuras de viagem-Marrocos

Muitas foram as figuras de viagem que encontramos pelo Marrocos.

Mas como sempre, tento colocar aqui os que refletem  melhor um pouco do país.

Primeira figura de viagem marcante foi o Karim, o rapaz que trabalha no Riad onde ficamos.  Típico moço direito marroquino. Trabalhador, muito simpático e educado, ele certamente é muçulmano mas não me pareceu do tipo fanático, embora siga a religião. Nos dias que estivemos lá era ele quem ficava até o último hóspede do Riad chegar, para abrir a porta do Riad. E algumas noites vimos ele com sua “prima”. Tão lindo ver aquele olhar apaixonado nos dois. Eles não se beijaram, nem se encostaram em nenhum momento mas pareciam realmente completamente apaixonados um pelo outro. Um dia, depois de uma longa conversa ele acabou soltando que queria casar com ela. Achei  que ele representa bem um tipo de marroquino que estudou e quer mehorar de vida, trabalha muito para isso e tenta ter uma vida honesta e tranquila, não está alheio ao mundo moderno  e diferente dele, tanto que fala inglês e veste roupas modernas, mas segue sua religião e sonha mesmo em ter uma família e poder trabalhar para sustentá-la.

Outra figura que vimos muito por lá foram os que eu chamo de malandrinho marroquino.

Como disse num post anterior, ele é uma figura que quem passa  por Marrakech certamente vai esbarrar ! O malandro marroquino usa calça jeans, tênis e casaco do mais esportivo possível, boné. Alguns usam calça e casaco esportivo combinando. Ele também deve ser muçulmano, mas se fosse do tipo mais religioso nem chegaria perto de você, mas ele quer mesmo é tirar vantagem de gringo e arrancar seu dinheiro. É esse o tipinho que vai tentar te mostrar o “caminho” certo do lugar que você procura quando estiver perdido na medina, o que  fatalmente vai acontecer, é esse que vai querer te levar para a loja do primo, dizer que tem um hotel melhor que o seu para te levar, etc. Como já disse,muito cuidado com esse tipinho! A profissão deles é tirar o seu coro. Mas o que achei interessante é realmente a combinação de malandrisse com essa roupa que mais parece uma tentativa desesperada de parecer menos marroquino e muçulmano e mais parecido com o gringo. E acho que pode até funcionar, principalmente com os mais preconceituosos. Ele assusta menos com o figurino parecido com o que estamos acostumados a ver do que um homem de vestido, ou mesmo de calça de manga comprida e blusa social em pleno 30 graus. Pelo que percebi e conversei com alguns comerciantes e com o pessoal do Riad, eles tem vergonha dessa atitude de querer se dar bem em cima dos gringos. Vejam bem, tentar vende algo por 200 quando na verdade vale 50 não é considerado passar a perna em estrangeiro para eles, é algo cultural, normal, pois a negociação faz parte. Isso para eles é totalmente diferente desse tipo de malandragem na cabeça dos marroquinos, por mais que seja tudo igual para nós.

Comerciantes todos umas figuras. Muita gente disse que eles eram chatíssimos, e como já disse, são sim inisitentes mas bem menos do que imaginávamos. Engraçado como a grande maioria tem aquele mesmo perfil. O dono da loja está sempre lá, vendendo junto com seus funcionários, que geralmenmte são da familia. Aliás pelo que percebi as lojas são negócios de família, passadas de pai para filho. Se você está sendo atendida, leia-se negociando, com seu filho ou sobrinho a última palavra geralmente é dele. Pode fazer por tanto pai/tio? Pode sim. Achei  os comerciantes tipicos pais de familia, homens de respeito. Eles são quase uma insituição do país, assim como os souqs. Indo ou não no Marrocos é possível que você já tenha ouvido falar deles. Aliás, conheço gente que tem vontade de ir ao Marrocos só pelos souqs e suas compras, o que mostra a importância dos comerciantes por lá. E apesar da insistência, achei que a simpatia é bem apreciada. O Klaus gosta de dizer que nesses lugares ele prefere ser simpático e ter que aguentar o assédio dos comerciantes pois o sorriso dele será lembrado com carinho no final do dia e ele terá feito a diferença na vida de alguém. E essa tática dele uma vez ou outra dificulta e nos faz passar por situações bizarras mas na maioria das vezes dá certo, e no Marrocos foi assim. Acho que aonde passamos o povo gostava tanto dele que quando o Mister sorriso dizia um não mais sério eles respeitavam. Ou ficavam com medo?rs Não sei, mas funcionou. O que me faz pensar que os comerciantes, além de pais de familia e insistentes também tem coração!

*Esta é uma tag para falar um pouco sobre as pessoas com quem esbarramos pelas viagens da vida, e que muitas vezes fazem delas muito mais especiais. Sou uma apaixonada por gente, e acho que  com elas conseguimos conhecer um pouco da cultura, dos costumes e da vida do lugar visitado de uma maneira bem especial. Enxergar um lugar através dos locais é ver um pouco da essencia dele!

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no “sobre” e escolha “sobre mim” na barra superior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *