Moscou, o melhor do “resto”

Apesar de muitas das grandes atrações de Moscou estarem na praça vermelha, nem tudo se resume à ela.Também já falei do passeio de barco,e do Kolomenskoye estate.

Mas Moscou tem muito mais.

O Teatro Bolshoi é um dos grandes conhecidos. Ele fica pertinho da Praça vermelha e é sem dúvida um dos símbolos da cidade. Quem puder, e conseguir, ver um ballet no Teatro certamente terá uma expericência inesquecível.

O metrô de Moscou é conhecidamente um dos pontos altos, e diferente de todo o resto, usar o metro é barato! Sem contar que é uma atração que não exige muito tempo, já que os turistas inevitavelmente usarão muitas das mais belas estações para chegar ou sair de alguns destinos. Mas como nem tudo é perfeito, se perder no metro de Moscou é muitíssimo provável. É essencial ter um mapa no alfabeto cirílico pois todos os mapas e placas das estações estão em russo. Portanto qualquer outro mapa é inútil. Vale lembrar também que a mesma estação pode ter mais de um nome. É complicado, mas resumindo, mesmo sendo uma só estação o nome muda de acordo com a linha. Então quando se troca de uma linha para outra, o nome  da estação muda! Eu não vi nenhuma estação verdadeiramente feia, todas tem algo interessante. Fica difícil escolher as mais lindas e imperdíveis, pois vi várias maravilhosas e quando voltei a Londres descobri na internet que deixei outras tantas de lado. Por isso talvez valha a pena pagar um tour pelas estações, ou mesmo pesquisar e montar um roteiro para seguir quando estiver na cidade.

A Catedral de Cristo Salvador é a igreja que mais me impressionou depois da Catedral de São Basílio em Moscou. E olha que depois de ver tantas cúpulas coloridas pela cidade fica difícil surpreender. A entrada é gratuita e o interior merece a visita , embora o exterior seja bem mais imponente.

Moscou também é “dona” de vários clássicos da arquitetura soviética! E não pense que eles se resumem às famosas ” Seven Sisters” .

Um experiência que deve ser legal é ir a alguma “banya”, que nada mais é que uma sauna/spa, algo tipicamente russo. Não fomos a nenhuma pois homens e mulheres tem horários de uso separados, a não ser que você desembolse uma grana boa para alugar uma área particular. Mas deve ser legal para quem viaja com alguem do mesmo sexo ou quem tem disposição de ir sozinho.Uma das mais conhecidas é a Sanduny baths. Fomos lá e descobrimos que não consegueríamos ir juntos, então desistimos. Mas só pela entrada já percebemos que deve ser lindo lá dentro. E o preço também me pareceu convidativo.

Algo que virou piada interna na viagem foi minha obsessão pelas igrejas ortodoxas. Virei uma perseguidora de cúpluas coloridas! Em um dos nossos guias, o top 10 Moscou, estavam relacionadas as top 10 igrejas. Lá fui eu atras das 10. E vi todas! Mas minha conclusão é que fora as mais conhecidas, muitas estavam bem acabadinhas e pareciam bem mais bonitas nas fotos do guia.

Por fim, o Convento de Novodevichy. Também fiquei um pouco decepcionada pois achei o Convento muito mal conservado. Mesmo assim vale a visita. Lá tivemos a oportunidade de ver o batismo de uma criança. Foi muito interessante, pois me pareceu muito diferente do batismo que estamos acostumados a ver.

E você, tem mais dicas de Moscou? Divida com a gente!

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

Um comentário em “Moscou, o melhor do “resto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.