Kathmandu- roteiro express de 1 dia

Expremendo o nosso pouco tempo entre Nagarkot, Bhaktapur, Kathmandu e o trânsito nepalês, sobrou somente 1 dia inteiro para ver a capital nepalesa. A boa notícia é que nesse 1 dia conseguimos fazer bastante coisa sem precisar correr!

A primeira parada foi a escolha mais óbvia, Durbar Square.

P1030981

Conhecemos esta Durbar Square antes da de Bhaktapur, e que decepção.A praça é lotada, não conseguimos nem curtir e observar a arquitetura direito pois o local é muito pequeno para a quantidade de gente. Não sei se estava tão cheio por causa do feriado nacional ou se é sempre assim. Os monumentos  caindo aos pedaços nos passou uma impressão de desleixo total. Mesmo assim, é o tipo de atração que não dá para deixar de conhecer. O bairro Thamel, que é a mecca dos mochileiros onde nos hospedamos, fica próximo à praça. Fomos andando e no caminho você esbarra com algumas pequenas stupas bem gracinha.

P1030969

E com feiras, pessoas e bichos. Todo aquele caos tem seu charme, devo admitir.

P1030967

Fizemos esta visita na manhã antes de irmos à Bhaktapur e Nagarkot. Na volta de lá descemos no templo de Pashupatinath, que é perto de onde acontecem as cremações no rio Bagmati. Ele fica bem próximo ao aeroporto, dá para ir andando de la. Diferente de Varanasi na Índia, lá você pode tirar fotos dos corpos e de toda cerimônia. Eu até tirei umas fotos distantes e com zoom, mas achei o cúmulo da falta de respeito com as famílias a maneira invasiva que muitos turistas agiam. Tirando foto muito próximo ao corpos, sem respeitar a dor das famílias. Mais vergonhoso ainda são os guias do” Paraguai” estimulando e dizendo que ali as fotos não são proibidas e levando os turistas a áreas onde eles podem tirar “fotos melhores”. A foto abaixo foi a mais próxima que tirei, com zoom. Observe os turistas na parte elevada, bem em cima de onde acontecia uma cremação. Eles deviam estar tirando foto até do fio de cabelo queimando. Se você procurar na internet por rio Bagmati vai achar fotos dos restos dos corpos sendo queimados.

P1040503

Além das cremações, o templo de Pashupatinath é uma grande atração local. Uma pena que não hindus não podem entrar em 99% dos templos, então nos contentamos com as entradas.

P1040516

Ali também estão os sadhus de araque do Nepal. Sadhu de verdade não pede dinheiro, gente. Nem cobra por foto, muito menos para abençoar alguém. E os de lá são mais capitalistas do que as crianças pedintes da Índia. Olha só que um deles notou nossa camera e pediu dinheiro mesmo de longe.

P1040476

Confesso que achei essa área meio estranha. Não me senti bem, mesmo assim acho que faz parte e não voltaria mas acho que deve ser visitada. Notei que ali, mais do que em qualquer outro lugar onde estivemos na capital nepalesa, tem muito espertinho querendo tirar vantagem dos turistas. Talvez pela proximidade do aeroporto. Sem contar que foi ali que vimos nossos primeiros macacos da viagem e eu detesto macaco,rs. De lá pegamos um taxi para a Boudhanath stupa, que foi sem dúvida alguma o local que mais gostei de Kathmandu.

P1040597

Talvez seja a vibe mais tranquila do local, que mesmo com muitos turistas te deixa saborear o que cada cantinho oferece.

P1040643

Conhecemos um templo tibetano/budista pequeno mas bem bonito e cheio de desenhos super coloridos ao redor da Stupa.As pinturas parecem novas e impressionam.

P1040544

Em volta da Stupa estão vários cafés, hotéis, etc. Fiquei imaginando como deve ser astral ficar hospedado ali. Acordar e ver tudo aquilo, sentir o clima de paz e amor.

P1040547

Por fim, vimos o templo de Shiva de Kathmandu, no meio do acaso. Não posso dizer se é imperdível ou não pois só vimos por fora.

photo

Um dia é pouco, eu sei, mas do básico só faltou conhecer Swayambhunath e a Durbar Square de Patan, que tecnicamente nem é Kathmandu, mas está a 5 km de lá e também faz parte do Vale de Kathmandu. Destas duas a que me deu muita pena de não ver foi Swayambhunath. Principalmente porque não é muito longe de onde estávamos hospedados, mas ainda assim exigia uma corrida de tuk tuk ou taxi. Deixamos para a última manhã mas como ver as coisas correndo não é a nossa praia, preferimos curtir a noite de Kathmandu no Reggae Bar e dormir mais um pouco para acordarmos descansados e prontos para nosso primeiro dia na Índia.

IMG_3673

No final das contas, o Klaus ainda deu uma canja no bar, e batemos papo com algumas pessoas. E assim fechamos com chave de ouro nossa estadia em Kathmandu! Fazendo o que mais curtimos em viagens e que sempre está no roteiro, conhecer os nativos. Para quem tiver só um dia também acho que esse roteiro(exceto o Shiva temple) é bacana para ver o básico dos básicos sem muita correria.

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

2 comentários em “Kathmandu- roteiro express de 1 dia

  • janeiro 14, 2013 a 1:40 pm
    Permalink

    A Boudhanath stupa é fantástica, definitivamente o lugar mais legal de Katmandu. E não lamente não ter ido em Patan. Não tem nada muito impressionante por lá não.

    O mais legal de ler seus posts é relembrar o caos que essa parte do mundo é. E sim, esse caos tem um baita charme, por mais que irrite de vez em quando.

    Responder
    • janeiro 14, 2013 a 2:10 pm
      Permalink

      O caos e Ásia se completam! Fico mais feliz de saber que nao perdemos tanto assim 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.