Siem Reap: Hospedagem e restaurantes

Os preços no Camboja são extremamente convidativos, pelo menos para os turistas. Isso significa que mesmo com um orçamento apertado dá para ficar num hotel bacana e comer bem. E é isso que eu quero mostrar para vocês com as 3 indicações abaixo!

Golden Mago Inn : Ficar num hotel bacana fez toda a diferença em Siem Reap. E como era o inicio da viagem e sabia que chegaria cansada na cidade, reservei antecipadamente. É impressioante como se paga pouco por conforto no Camboja. Pagamos 25 libras num quarto de casal, com ar condicionado, com café da manhã, transfer do aeroporto na chegada e transfer de ida para o centro da cidade, já que o hotel ficava a mais ou menos 10 minutos de lá. O transfer funciona até as 9 da noite, e a volta é por sua conta mas custa meros 2 doláres.  O hotel  é simples mas tem piscina, é super limpo, wifi gratis, e apesar de não ser luxuoso é um hotel que se preocupa em ter uma decoração bonitinha, flores para deixar o ambiente bonito e cheiroso, esses detalhes que nós pobres exigentes amamos,rs. Porque a gente quer um hotel barato, simples, mas com dignidade! Os funcionários são muito queridos, e eles ainda foram responsáveis por nos indicar o melhor motorista de tuk tuk que poderiamos ter, e que “cuidou”de nós durante toda a nossa estadia em Siem Reap. O restaurante do hotel ainda quebra um galho, e serve comidas bem gostosinhas, a preço justo. Com certeza poderiamos ter pago menos da metade disso num quarto simples mas limpinho(mas não tão bom quanto esse), mas convenhamos que menos de 100 reais num quarto duplo de hotel assim em pleno auge da alta temporada está longe de ser caro. Recomendo fortemente.

Golden Mango Inn

Touich– Esse restaurante nós descobrimos depois de tentarmos uma reserva no badalado Haven, sem sucesso. O nosso anjo/motorista nos indicou, falando que apesar de fora do centro, era um dos melhores e a gente devia conhecer.  Pois bem, lá fomos nós. Vocês não tem ideia do baticum que é a para chegar lá. São 2 ou 3 ruas das mais esburacadas que já vi na vida, fiquei até com medo de onde o tuk tuk estava nos levando, mas chegamos. O local é simples mas charmoso, cheio de plantas, silencioso, aconchegante. A especialidade deles são as comidas feitas no grill e essas são as mais caras. Eu pedi um camarão que estava divino, mas o Klaus pediu uma gororoba com beringela. Não botei fé, mas foi um dos pratos mais gostosos que comi no país. Custou 5 doláres, ou menos. O meu que era caro, custou o dobro, acho. Pedimos uma salada de manga que estava deliciosa também.

Touich restaurant

O restaurante é familiar, e me pareceu que todo mundo trabalha ali, junto. Até a bebezinha filha do dono(2  anos e pouco) vinha cambaleando e segurando o cardápio, fofa demais. O atendimento é excelente, todo mundo que trabalha lá parece falar inglês super bem, o que é incomum e ajuda bastante. Ao ir embora, na espera do tuktuk,  conversando com um casal de franceses que mora em Siem Reap eles nos contaram que o restaurante desenvolve um projeto social lindo com ex presidiários e pessoas que de alguma forma ficaram sem expectativa na vida, perderam familia, etc. Mas o mais interessante disso foi que isso não aparece na parte do cardárpio que conta a história do restaurante. Achei curioso, voltei e conversei com o dono. Muito simpático ele me explicou que ali, atrás do restaurante, e num “puxadinho”da casa dele, moravam essas pessoas que ele ajudava. Ele foi discreto e não disse que ajudava ex presidiário, ou órfãos, disse só que eram pessoas com problemas, que tinha perdido tudo na vida e não tinham expectativa de achar emprego, então ele empregava essas pessoas, dava casa, comida e auxiliava os jovens até  que eles completassem um ensino básico e pudessem seguir rumo sozinhos. Ele ainda me contou que desenvolve um projeto social semelhante também com jovens fora do restaurante. Comentei que eu jamais saberia do seu projeto social se não fosse pelo casal de franceses, e ele disse: “Trabalhei muitos anos com turismo e sei a visão que os estrangeiros tem do meu país. Sei que muitos amam, mas que tem pena da nossa pobreza, do caos. Isso é o que vende. Mas o meu povo é feliz, apesar de tudo. Temos um país lindo, e é isso que eu quero passar. Não quero que você venha aqui e saia com pena de mim. Quero receber as pessoas aqui e que elas saiam felizes, que conhecam o nosso lado alegre e não de coitadinhos, porque não somos.”A nossa conversa e o tamanho do sorriso dele não saem da minha cabeça. Não só concordo com ele, como me coloquei no seu lugar, lembrando da imagem que vendem do nosso pais, e que tanto me incomoda. Também pensei o que eu sentiria em relação aos gringos que de uma certa forma ajudam a vender essa imagem se fosse no meu país(e eu convivo com isso, e discordo), mesmo quando querem fazer o bem. Saí de lá com isso na cabeça e acabei não indo concerto de cello do tal médico que ajuda um hospital. Todo mundo que vai se emociona, mas eu me vi julgando antes de ir. Cheguei até a me arrumar, mas desisti, perdi a vontade.Enfim, independente de projeto social, o restaurante é otimo, atendimento excelente, é familiar, a comida ;e ótima e eu acho que ele merecia ter a mesma notoriedade do  Haven. Quando chegamos o restaurante estava vazio mas logo lotou. Chegar lá é chatinho por causa da rua esburacada, mas não é longe do centro e merece a visita!

Depois do bate papo com o dono, a foto!
Depois do bate papo com o dono, a foto!

Haven: Este é o novo queridinho da cidade. Tentamos marcar e não consguimos mas nos falaram para tentar ir as 8:30 da noite, e acabamos conseguindo uma mesa. Li alguns reviews dizendo o mesmo e reclamando que isso é marketing pois chegando lá o restaurante estava vazio.  Mas quando fomos todas as mesas estavam cheias, mas o restaurante é pequeno, tem pouquissimas mesas e nenhuma fica colada na outra, e dá aquele clima meio zen, silencioso . Acho que é proposital, e por isso mesmo eles conseguem oferecer um serviço tão bom. O restaurante tem preços super módicos, é bem estruturado, tem cara de gringo e é feito para gringo. O projeto deles é lindo mas achei praticamente uma cópia muito bem estruturada do Touich, que ao contrario deles não levantam a bandeira de ajudar ninguém. Eles sugerem  doações no site do restaurante, e nos panfletos mas é tudo sutil e de bom gosto. O casal dono do restaurante trabalha lá e é super simpático.

Haven siem reap

Eles fazem um super trabalho, bem feito mesmo, merecem a fama. Mas eu sou chata e achei tudo muito feito para gringo, tudo certinho demais, todo mundo se esforçando demais para fazer perfeito  e acho que esse tipo de coisa acaba descaracterizando o lado cambojano que a gente espera.  Tudo bem que o restaurante nem cambojano é, e de novo, eu sou chata mesmo, mas  acho esse tipo de coisa meio maquiada e não gosto. E tenho a tendência de me irritar com gente que divulga o bem que faz(teamihatebono). Já falei com sou chata? Mas vamos ao que interessa, a comida! É maravilhosa. Muito boa mesmo! A apresentação, o sabor e a quantidade que vem no prato é muito maior do que nos outros restaurantes. Pedimos uma salada de manga porque foi a obsessão da nossa viagem. Acho que pedimos em todos os restaurantes que fomos no Camboja,hahaha. Mas essa foi sem dúvida a melhor de todas que eu já provei na vida. O Klaus então, nem queria comer o prato principal para não tirar o gosto.

chicken lok lak siem reap

E realmente só a salada bastava, tinha o suficiente para chamar aquela salada de prato principal. Mas como estavamos ali por motivos de pesquisa(hihihi), pedimos cada um prato principal, que foi amok para o Klaus e chicken Lok Lak para mim. Ambos deliciosos, de verdade. O Klaus achou o Amok dele bom mas não especial e eu provei e achei fantástico então acho que ele ainda estava sob o efeito da salada de manga verde.  Nossa conta deu 25 dólares, e tomamos cerveja e agua além da comida.Seja pela comida deliciosa ou pelo projeto social, o Haven realmente merece uma visita.

Leia todos os posts sobre Siem Reap aqui.

Reservamos o hotel pelo Booking.com , que a partir de agora é parceiro do blog. Se você usar um dos links do blog para reservar seu hotel no booking, o preço da sua reserva não muda em nada mas nós ganhamos uma comissão!

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

3 comentários em “Siem Reap: Hospedagem e restaurantes

  • Março 10, 2014 a 8:27 am
    Permalink

    oi! Parecem bons spots para ficar e para comer! Vamos estar no Cambodja em Outubro, parte do itinerario da nossa volta oa mundo e vou-me lembrar das tuas recomendacoes!

    Responder
  • julho 3, 2017 a 7:52 am
    Permalink

    Touich es realmente el mejor restaurante en Siem Reap.
    Excelente artículo, muy completo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *