A despedida do inverno

O primeiro dia de calor na Inglaterra é um acontecimento.E eu queria dividir isso aqui para vocês entenderem um pouco da sensação que a gente aqui sente quando isso acontece. E veja bem, quando digo calor, eu digo máxima de 23 graus e mínima de 17. Só quem passou muitos invernos realmente frios, e muitos verões de bosta(no quesito clima)entendem o que é a emoção de guardar todos os casacos pesados de uma vez para vê-los novamente só em Outubro. É uma emoção também usar aquela sapatilha pela primeira vez no ano sem congelar os pés. É maravilhoso desenterrar aqueles óculos escuros que ficaram guardados dentro da sua bolsa o inverno inteiro na esperança de serem usados. O inverno não é ruim, tem seu charme. Mas quando vai chegando ao final dele, a gente já está piscologicamente preparado para que acabe.  Então todo mundo fica ansioso quando vai chegando final de Março esperando a despedida de um e o recomeço de outro.

Londres  (1)

E quase sempre acontece de ter algo que atrapalha no meio do caminho. Uma neve inesperada em março, o frio que não fez o inverno todo resolve chegar quando já deveria estar esquentando, ou então não fez frio de verdade em Janeiro e Fevereiro e a expectativa de uma primavera mais quentinha é tão grande que ela parece nunca chegar, ou então são os filhos da mãe dos metereologistas prevendo o verão mais quente de todos os tempos mas já é metade de abril e nada de calor. Enquanto isso São Pedro fica rindo litros de nós lá de cima. É tudo uma grande piada dele, que faz uma dessa todo ano e a gente cai que nem patinho. Isso tudo é para falar uma coisa só para vocês: só valoriza uma Primavera e um Verão quem já teve um Inverno real com r maiúsculo. É muito simples. Então aquele primeiro dia de calor é um evento por isso, a gente sabe muito bem o que é sentir falta dele.

Londres  (3)

Por isso no primeiro dia de calor eu garanto que você consegue mesa dentro de qualquer pub da Inglaterra. Porque 99% das pessoas que vão a um pub estarão do lado de fora. E se o pub não tiver area externa a gente toma a rua, e dá uma banana para quem tentar passar. Bem como na foto abaixo.

Londres  (6)

Nesse dia o pessoal vai almoçar do lado de fora. E qualquer pedaço sentável de rua vira mesa e cadeira. Se quiser ver engravatados jogados no chão comendo uma salada ou mandando um sanduba pra dentro encostados no concreto basta ir ao centro financeiro antigo(na City) ou no novo(Canary Wharf e arredores).

Londres  (5)

Depois do trabalho a gente vai ao parque, mesmo que não tenha nada pra fazer no parque. Eu lembro bem o dia que vi uma menina fazendo a unha no parque num domingo quente e achei a coisa mais genial do mundo. Depois disso nunca mais eu fiz unha dentro de casa num final de semana calorento. Ou a gente faz qualquer coisa que envolva ficar na rua, do lado de fora. Vale até correr no asfalto, ir andando à estação ao invés de pegar o ônibus mas tem que fazer aquele dia de sol valer.

Londres  (2)

Não se joga fora um dia quente na Inglaterra, não se usa um dia quente para ficar no sofá, isso é pecado mortal. Nos primeiros dias de calor, pessoas com preguiça de curtir o sol serão julgadas, pessoas de mau humor também. O assunto é um só: o tempo. Aliás, quando não é o assunto desse país? Os otimistas estão felizes com o tempo e os pessimistas estão reclamando que não dura muito. Mas numa coisa todo mundo concorda: é preciso aproveitar! Não importa se é segunda feira, qual o problema de tomar uma cerveja na segunda? E é por isso que muita coisa acontece na primavera/verão: cinemas ao ar livre, os restaurantes e bares com vista privilegiada fazem filas enormes na porta, alguns bares abrem especialmente e somente nesta época, festivais de todo tipo começam a pipocar: de comida, de roupa, de música, etc. Feiras permanentes estendem seus dias e horário de funcionamento, como o Borough Market que abre até mais tarde e vários dias da semana no verão, palácios e várias atrações reabrem as portas e tudo realmente acontece.

Londres  (4)

Confesso que me sinto um ser ingrato quando o sol brilha lá fora mas tudo que quero fazer é ver TV, e ficar jogada no sofá. É minha gente, eu faço isso, mas sinto uma culpa horrorosa. Eu e todo o resto da população. Por isso mesmo as atividades indoor ficam jogadas às moscas em dias quentes. Para os turistas que não precisam sentir culpa pode ser um dia maravilhoso para ir a museus que vivem lotados como o de história Natural, o Museu Britânico, o Victoria and Albert… Ou mesmo conhecer igrejas, bares mais disputados que são bem fechados ou em subsolos e qualquer outro programa que envolva estar enfurnado entre 4 paredes sem ver a luz do sol. Porque para isso nós aqui temos o resto do ano todo para curtir. Então, se você estiver visitando o país nessa época e der sorte de pegar a primeira semana de sol, ou mesmo se vier no verão aproveite para se juntar a euforia geral. E se encontrar um corpo estendido no chão em plena luz do dia não precisa chamar a ambulância. Provavelmente é só alguém tomando sol.

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 11 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Escreve todos os posts mas faz o blog junto com o marido, Klaus. Para saber mais sobre, clique no "sobre nós" na barra superior.

16 comentários em “A despedida do inverno

  • abril 23, 2015 a 2:28 pm
    Permalink

    EX-CE-LEN-TE!!!!!!
    Amei muito, guria. Vou compartilhar no nosso Facebook.
    🙂

    Beeijo

    Responder
  • abril 23, 2015 a 3:12 pm
    Permalink

    cada coisa a mais que fico sabendo sobre londres eu me apaixono mais. o texto ta encantador. parabéns ! meus planos serão de ir estudar em londres em 2016, vai ser um sonho realizado que tenho desde criança. quero viver tudo isso que vc falou. beijos
    http://www.comoserdiva.com

    Responder
  • abril 24, 2015 a 2:33 pm
    Permalink

    Amei seu texto e concordo em numero e grau. Depois do meu primeiro inverno em Londres, qualquer 15 graus com sol ja e motivo de festa!!

    Responder
    • abril 26, 2015 a 11:03 pm
      Permalink

      Pois é, Luana, Só passando um inverno de verdade para valorizar qualquer solzinho!

      Responder
  • abril 27, 2015 a 11:44 am
    Permalink

    Adorei o post!
    Eu nunca entendi direito porque os europeus piravam tanto pelo sol.
    Mas hoje eu moro em Estocolmo e entendo muito bem o que é se sentir tão grata por um dia lindo de sol! 🙂

    Responder
  • abril 27, 2015 a 8:41 pm
    Permalink

    Lili, já morei em um lugar de frio intenso e hoje escaldo com o calor do interior paulista e, lendo seu post e vendo sempre vc falar do clima em Londres só posso entender que somos totalmente guiados pelo clima do local onde vivemos. Essa sensação de cansaço com uma determinada estação do ano eu já vivi com o inverno, quando morava em Iúna-ES e é exatamente como você descreveu: uma vontade louca de saudar o astro-rei. Mas agora vivo esse mesmo desespero com o verão que não tem fim aqui no interior paulista. Enfim, extremos! Ah os extremos!!!
    Agora, que deu uma super vontade de me esticar no parque por aí sem ninguém me achar louca, isso deu!!!
    Beijos, minha amiga linda!

    Responder
  • Pingback: Tira o casaco do baú e liga o aquecedor! - Catálogo de viagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.