Cairo- o primeiro choque cultural a gente nunca esquece

O Cairo foi o meu primeiro choque cultural da vida. Acho que já tinha conhecido algo em torno de 15 paises quando fui ao Egito,  mas nada como uma cidade caótica como o Cairo para te mostrar o quanto o  mundo é diverso e que numeros e carimbos no passaporte não significam nada. O aeroporto já te mostra o que vem pela frente. E se você parar para pensar que aquele caos todo é na capital do país, o lugar que abriga um dos pontos turísticos mais famosos do planeta, assusta mais ainda.

Em tese a cidade, que é porta de entrada para tantos turistas, deveria ser o melhor cartão de visitas do país, mas não, fomos a muitas cidades no Egito e o Cairo ganhou disparado como a pior, mais suja, mais impactante. Passado o mafuá da imigração, pegamos um carro que nos aguardava e outro choque ao andar pela cidade. As casas não tem reboco. É um mar de casas não terminadas que causa a impressão de uma favela enorme. Os únicos prédios que têm reboco são os hotéis. Todos os outros parecem que estão em costrução. Do terraco do hotel, muitas casas sem telhado, cabra, burro e galinha dentro da casa, algo que transcende ao rústico.

E o mais louco é que ver, e se hospedar, num hotel luxuoso no meio disso tudo. O trânsito também é de arrepiar os cabelos. Muitos carros velhos na rua, os sinais de trânsito quando existem nao funcionam e as pessoas se arriscam atravessando como dá. Mulheres com 5/6 filhos atravessam as ruas correndo, dois no colo e o resto numa espécie de corrente humana. E a gente ali, olhando tudo e tentando digerir. Chegamos a noite e em pleno Ramadam. As noites no ramadam sao um tanto agitadas, ja que durante o dia todos ficam em jejum. Então toda ação acontece mesmo fora do horário convencional. Restaurantes abarrotados, trânsito mais infernal que o normal, etc. Ao chegar no hotel, outro choque. Uma porta de metal e 2 segurancas, que mais pareciam policiais, com suas metralhadoras apostas. Aliás, policiais e seguranças exibindo suas armas não faltam no Cairo.A foto abaixo está péssima mas foi um momento único e o que deu para tirar no momento. Um segurança DORMINDO em cima do que pareceu ser uma 12.

Algo que achei curioso também foi o padrão dos hotéis nada condizentes com o número de estrelas, principalmente no que diz respeito a limpeza. E apesar de ter aprovado bastante o tour, achei que em relação a hoteis ficou a desejar. Não ligo para estrelas muito menos glamour, só para limpeza, localização e privacidade. Entao acho que muita gente que ficou em hotéis bem simples ou mesmo albergues bem recomendados pode ter se dado melhor que nós pelo custo benefício. Tudo bem, tinhamos um super terraço com vista para as piramides, com piscina, que servia um cervejinha amiga em pleno ramadam, mas preferia um lugar mais simples e mais limpo, mais aconchegante também.

E essa liçao ficou anotada, não só para o Cairo, mas para em todos os lugares que estivemos no Egito. Pobre mas limpinho como a gente costuma escolher teria ganhado disparado dos hoteis 4 estrelas que ficamos. E como choque pouco é bobagem, no dia que fomos ao mercado Khan Al-Khalili, além do mafuá de gente fomos surpreendidos por um guarda nos afastando de um rapaz que queria ” nos ajudar” . Foi ai que descobrimos que teoricamente as pessoas que querem ajudar turistas tem que ter uma credencial! Loucura! Isso porque todo mundo quer te passar a perna. É fato que muita gente vai tentar te vender algo que vale 1 por 100, a inisitência incomoda bastante as vezes, e eles vao tentar te puxar para a loja deles, ou do primo ou do tio, mas achei a medida extrema. Apesar disso, o cara que queria nos ajudar realmente estava querendo nos levar para o caminho errado, e vai saber para fazer o que, mas isso inibe a interacao com o povo. De acordo com o nosso guia, muita coisa mudou na relação com o turista depois que do massacre de Luxor em 1997. O país viu uma queda gigantesca no número de turistas no ano seguinte e demorou a se fortalecer novamente como um destino seguro. Não é para menos. 62 turistas mortos dentro de uma das grandes atrações do país, em plena luz do dia? Além do tal cadastro para dar informação turística, ônibus turísticos não podem andar sozinhos pelas estradas. Só se sai em comboio. E pelo que entendi, qualquer carro que tentar andar entre os ônibus pode se dar mal. Pelo menos nós presenciamos isso. Dois rapazes numa moto se enfiaram entres os ônibus do comboio enquanto passávamos por uns guardinhas  e não deu 5 minutos para um policial aparecer e jogar uma borracha cheia de pregos no chão que furou o pneu da moto e obrigou os meninos a pararem. Fiquei meio assustada com aquilo. Tanto com a possibilidade de ser algo realmente ameaçador quanto com a chance de serem somente 2 rapazes normais sem más intenções querendo chegar logo em seu destino. O mais engraçado é que eu me preocupava muito com a religião, como deveria me comportar e o que vestir pois era meu primeiro país muçulmano. E essa parte foi a que menos chocou. Lógico que usei roupas adequadas e me comportei como manda a regra da boa educação, respeitando a religião e seus costumes. E apesar de termos passado por uma situação meio chata na praia, não tivemos maiores problemas com os homens e suas atitudes, ou mesmo religiosos. Passamos 10 dias no país e vimos bastante coisa. Foi uma das viagens mais especiais da minha vida. Meu marido até hoje diz que foi a melhor viagem dele. E eu recomendo, amei tudo, até o choque cultural, que me ensinou algumas coisas da vida. O povo é insistente para vender, alguns pedem dinheiro quando notam que é um grupo de turistas, mas nada disso incomodou demais. E esse post pode soar como um exagero para quem já conhece alguns países muito mais dificeis de digerir como a Índia por exemplo, ou até mesmo para mim 4 anos depois de ter voltado do Egito, mas perdoem porque né, o primeio choque cultural a gente nunca esquece.

*algumas das fotos dessa viagem que irào aparecer aqui são dos queridos amigos Viviane e Sandro Mancuso, pois nossa camera nessa época não era lá essas coisas. Agradeço a eles pela gentileza de terem nos passado suas belas fotos! 

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

15 comentários em “Cairo- o primeiro choque cultural a gente nunca esquece

  • outubro 27, 2012 a 1:49 am
    Permalink

    Concordo plenamente com tudo o que disse sobre o Cairo e em geral sobre o egipto. Eu já tinha ido a alguns países muçulmanos e uns outros um pouco mais complicados mas confesso que senti o mesmo que voce escreve. Maioritariamente uma pessoa no Egipto se sente meio desconfortável, o calor não ajuda e aquela horda de gente te persseguindo a toda hora chega a ser meio assustador nos primeiros dias. Contudo tambem foi das melhores viagens que fiz e mais me diverti e que mais histórias tenho para contar, e sim também foi um dos primeiros grandes choques culturais que vivi e sobrevivi (só não me peçam para atravessar a estrada novamente hehehehe)

    Responder
    • outubro 27, 2012 a 10:46 am
      Permalink

      Mas sabe que passado o choque inicial do primeiro dia eu até gostei do povo? Passou a me incomodar menos e me divertir o fato deles tentarem vender qualquer coisa e falar em qualquer idioma para isso. Foi uma viagem incrível. O Egito tem muito a oferecer e sem duvida é um daqueles lugares para ir uma vez na vida.

      Responder
      • outubro 28, 2012 a 3:46 am
        Permalink

        Sem dúdiva é um lugar para ir antes de morrer! Também acabei por me divertir imenso com aquele povo e todo o teatro que eles fazem para vender algo ou mesmo passar a perna. Tive cerca de 40 minutos há conversa com um homem ele a falar sabe-se lá que lingua e eu respondendo em português. No que consistiu a conversa não sei ms que nos rimos à gargalhada no final foi paródia total. houve uma noite que negociamos um carro para nos levar a gizé de noite, bem saiu barato mas ainda tivemos de fazer entregas de roupa passada a ferro por várias casas foi mesmo muito divertido e ao mesmo tempo um pouco assustador quando andamos por bairros com um saco de plástico e bater as portas para recolherem as encomendas. Um dia quero voltar e reviver todos estes momentos, agora sim com um choque cultural bem menos agressivo

        Responder
  • outubro 27, 2012 a 11:10 am
    Permalink

    Lili, Egito está no topo da minha lista, estou tentando programar para o próximo ano! Adorei seu post, me deixou com mais vontade de ir. Todo mundo diz que o choque cultural é enorme, mas que também é uma viagem muito especial.

    Responder
    • outubro 27, 2012 a 11:19 am
      Permalink

      Fabi, você é uma viajante mais que experiente, conhece meio mundo e vai tirar de letra! Mas para mim depois de alguns anos só viajando pela Europa e Brasil foi complicado. Mesmo assim acho muito difícil não curtir uma viagem pelo Egito, o pais tem um pouco de tudo. Bjs!

      Responder
  • outubro 27, 2012 a 7:26 pm
    Permalink

    Muito do que você falou é igual na Índia. Os seguranças armados, o povo tentando passar a perna, as casas sem reboco, a insistência… Acho que você vai se dar bem por lá, afinal já passou por um choque cultural muito parecido. =)
    E parabéns pelo post! Muito bom o texto. Fiquei com vontade de conhecer o Egito.

    Responder
    • outubro 27, 2012 a 7:39 pm
      Permalink

      Eu ainda acho que a Índia deve ser imbatível no quesito choque cultural. Conto para vocês na volta! Mas sem duvida o Egito foi um aprendizado e tanto. Obrigada, fico feliz que tenha gostado!

      Responder
  • novembro 1, 2012 a 3:27 pm
    Permalink

    A gente esteve no Egito em 2008… Ler o seu post foi reviver aqueles dias… A gente tinha chegado no país vindo de 12 dias na Grécia e 20 dias numa excursão todos-os-países-de-uma-só vez pela Europa. Foi um choque cultural atrás do outro! O choque com o preço absurdo das coisas em Euro, o choque com a limpeza/organização alemã, o choque com a desordem e falta de educação dos italianos, o choque de ver a neve pela primeira vez, o choque com o surreal das paisagens gregas… Mas nada supera o Egito, definitivamente. Para o bom e para o ruim. Parabéns pelo post! Nunca tinha visto descrição tão perfeita da cultura do país…

    Responder
    • novembro 1, 2012 a 3:38 pm
      Permalink

      Gleiber, nos também fomos ao Egito em 2008. Criei este blog há pouco mais de 1 ano e resolvi colocar algumas viagens antigas aqui e que ainda tem alguma relevância. Foi inesquecível. Fico feliz que você tenha gostado do post!

      Responder
  • novembro 2, 2012 a 2:28 am
    Permalink

    Eiii.. li todos seus posts sobre o Egito e adorei!! Não conhecia seu blog!
    Estou indo pra lá na semana que vem e, acredite, já li muuuuuita coisa sobre o Egito!
    Mas me identifiquei com sua maneira de escrever e pensar! Tenho uma forma bem parecida de encarar as viagens!!
    Tb faço o estilo mochileira, tb não pago caro em hotéis, odeio lugares lotados, viagens corridas e esse será o 1o cruzeiro que farei, pq não curto pagar caro pra ficar de pernas pro ar o tempo todo! rs. Mas sei que esse será diferente!
    Não custo contratar tours, mas tb contrarei dessa vez. Acho que tem lugar que é necessário, né? A propósito, qual foi a agência que vcs usaram? Pq a minha agência tb se diz mochileira..rs. Quem sabe e a mesma? Ai queria ter uma referência dela!
    Bom, parabéns pelo blog!
    bjs

    Responder
    • novembro 2, 2012 a 2:47 am
      Permalink

      Renata, fico feliz que tenha gostado! Ainda vem um montão de posts sobre o Egito por ai. O nome da agencia é top deck, mas contratamos através da Sta Travel em Londres. A top deck é australiana se não me engano, gostamos demais deles. O nosso guia era o mais fantástico de todos, e tornou a viagem bem melhor. Depois vou fazer um post só sobre a experiência, que foi bem positiva e superou todas as expectativas. O Egito é um pais menos complicado do que se pensa e da para viajar independente sim. Mas para nós foi ideal porque queríamos ver muita coisa em poucos dias(típico!) e estávamos num grupo, tudo se encaixou bem. Espero que você goste do país tanto quanto eu!

      Responder
  • novembro 2, 2012 a 6:01 pm
    Permalink

    Eii.. acho que vou gostar muito sim!! rs
    Bom, a agência não é a mesma, a minha é de lá mesmo, achei ela pela net. Mas acho que foi essa sua agência que a Clarissa, do “Dondeando por aí” me indicou, mas eu já tinha fechado com a outra! Espero que a minha seja tão boa quanto a de vcs! rs.
    To louca pra ler outros posts.. tomara que dê tempo antes de eu viajar! 🙂

    Responder
  • janeiro 3, 2015 a 2:45 pm
    Permalink

    desejo saber se para visitar o egito o país exige muitos documentos para entrar em cairo ,pretendo viajar para lá e quero saber o que é necessario para poder entrar no país

    Responder
  • Pingback: 5 razões para visitar cidades “exóticas” ou pouco conhecidas | Catálogo de viagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.