Tate Modern e a exposição “Matisse: cut outs”

Londres tem museus com as melhores coleções de arte do mundo, e isso não é novidade para ninguém. Todo mundo sabe também que a grande maioria desses museus oferece entrada gratuita. Por isso mesmo não é de se espantar que todo ano exposições das mais imperdíveis passem uma temporada nos museus londrinos. A maioria dessas exposições temporárias é paga mas como os museus não cobram entrada para visitar suas coleções permamentes, fica fácil pagar um extra de vez em quando. E por isso mesmo as exposições mais bacanas costumam esgotar rapidinho ou estão sempre lotadas! A exposição Matisse: cut outs no Tate Modern, não é diferente.

Tate modern

Fui lá em plena sexta à noite do primeiro dia de calor do ano na Inglaterra e estava lotada. Tentei ir no final de semana anterior mas a espera estava muito longa e por isso mesmo recomendo comprar antecipadamente para evitar espera. Essa exposição mostra os recortes de Henri Matisse, assim como alguns escritos e videos mostrando o artista em ação. Por problemas de saúde ele ficou impossibilitado de pintar depois dos 60 anos, por isso começou a criar recortes como pinturas de uma maneira bem particular.

Matisse cut out
Em se tratando de Matisse, obviamente a cor é o elemento principal de todos os seus recortes em forma de arte. É muito interessante observar toda a evolução dos seus recortes, que começam timidos e depois ganham dimensão, misturas, movimento e formas mais elaboradas. Na exposição estão seus recortes mais importantes. Alguns que deram origem à capas de livros e outras impressões, assim como os recortes já impressos. É interessante observar a diferença entre eles. De acordo com Matisse os recortes perdiam vida depois de impressos. Podemos ver também sua preoucpação com o papel usado nos recortes e suas cores. Nessa exposição também estão os recortes que enfeitaram sua casa e estudio, e outros que originaram vários elementos da Capela do Rosário de Vence. A pedido de uma freira, que na época em que Matisse teve cancer era enfermeira e ajudou a cuidar dele, Matisse fez os murais da capela, as batinas dos padres e a partir dos seus recortes foram feitas as janelas da capela. Tudo com o cuidado de saber como sua arte sairia do papel para o vidro, que pode mudar de acordo com a luz. Para fechar com chave de ouro, no final da exposição está uma janela feita por Matisse e foi exposta no Rockefeller Center para Natal de 1952 chamada Noite de Natal. Eu gostei demais! Não sou entendedora de arte, aprecio aquilo que mexe comigo de alguma maneira, seja emocinalmente ou visualmente. E nada mais visual e inspirador do que a explosão de cores dos recortes de Matisse.

Matisse

Acabando a exposição, aproveitei para dar uma voltinha no Tate Modern. Vários museus de Londres ficam abertos até tarde às sextas com direito a musica, bebidinhas e o Tate também. Depois de 4 horas de arte eu encho o saco, admito. Por isso a grande vantagem que nós moradores de Londres temos é que podemos conhecer os museus da cidade todinhos com a calma que eles exigem.

metamorfose de narciso

Mas para quem está visitando isso não é viável. A boa noticia é que o Tate Modern não é gigante como um Louvre ou museu britânico e com uma visita dá para conhecer tudo até mesmo sem pressa. O prédio do Tate Modern é uma usina desativada que fica à beira do Tamisa na parte sul e é ligado a parte norte da cidade pela famosa Millennium Bridge.

St Paul

 

Exatamente no lado oposto esta a Catedral de St Paul, e por isso a vista de dentro do Tate é impagável. É um crime passar por lá sem dar uma chegada na varanda do café, com vista para o Rio e para um ocasional por do sol. Recomendo muito chegar ou sair da Tate Modern pela Millennium Bridge pois a vista é linda dos dois lados! Mas o mais bacana mesmo não é a vista, mas que ali estão obras contemporâneas muito importantes como a Metamorfose de Narciso de Salvador Dalí; a Mulher Chorando de Picaso, o caracol de Matisse(que está atualmente na exposição descrita); várias obras do Roy Lichtenstein e até mesmo obras de brasileiros como Sergio de Camargo E Leonilson. Pode-se ver também obras que pessoas ignorantes como eu não alcança, como Lingotto de Mario Merz . Mesmo para pessoas como eu é no mínimo interessante ver de perto.

Mario Merz
O museu é gratuito, mas a exposição Matisse:the cut outs custa £ 16.30, O museu sugere que voce pague £ 18, dando 1.70 de doação. Vale lembrar que você não precisa pagar e nem se sentir coagido a tal.
A exposição fica até Setembro deste ano e depois segue para Nova Iorque, por onde fica mais um tempo. Fotos não são permitidas na exposição, mas na coleção permanente sim. Só tenha o cuidado de não usar o flash.
O Tate Modern fica aberto de 10:00 às 18:00 de Domingo à Quinta e de 10:00 às 22:00 Sexta e Sábado.
Mais informações no site : http://www.tate.org.uk/

Tate Modern

Bankside, London SE1 9TG, United Kingdom

Facebooktwittergoogle_plusmail

lilistahr

Uma capixaba morando em Londres há mais de 12 anos, e apaixonada pela capital britânica. Viciada em viagem, com uma queda por praias paradísiacas e destinos menos óbvios. Para saber mais clique no "sobre" e escolha "sobre mim" na barra superior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.